Notícias

Recuperação da moagem de cana pode ser mais lenta

22 de Junho de 2022

Notícias

A moagem de cana no Centro-Sul do país deverá ter uma recuperação pior que a esperada nesta safra (2022/23), ainda por causa dos efeitos do clima adverso do ano passado. A Copersucar, que reúne 36 usinas associadas na região, com capacidade total para processar 100 milhões de toneladas de cana por safra, estima que o volume de matéria-prima a ser processado em todo o Centro-Sul deverá ficar entre 540 milhões e 548 milhões de toneladas. Em 2021/22, as usinas da região processaram 523 milhões de toneladas.

“No início, a expectativa era um pouco maior. Mas a condição climática para o canavial tem tido impacto. Hoje, a visão convergente é que safra deverá ter uma recuperação um pouco menor que a estimada inicialmente”, disse Tomas Caetano Manzano, CEO da Copersucar, durante a apresentação dos resultados da companhia na última safra.

Mesmo um aumento limitado da moagem não deverá significar necessariamente crescimento da produção, já que a concentração de sacarose na cana está pior. A princípio, a Copersucar acredita que a concentração média de ATR (Açúcares Totais Recuperáveis) no Centro-Sul deverá ficar entre 139 quilos e 140 quilos por tonelada de cana processada; na safra passada, a concentração média ficou 143 quilos por tonelada.

“Podemos vir a ter um cenário, na faixa mais pessimista, de um volume de ATR total próximo ao do ano passado. Pode ser um pouco maior se a produtividade agrícola evoluir um pouco com a condição climática depois do inverno”, afirmou Manzano.

O reflexo dessa oferta menor de matéria-prima sobre a produção de etanol ou açúcar vai depender do “mix” das usinas, que ainda é um fator de grande incerteza para a temporada, apesar de o setor já ter entrado no terceiro mês de operação desta safra. A Copersucar trabalha com uma estimativa de que 41% a 44% da cana deverá ser destinada à produção de açúcar, abaixo dos 45% da safra passada.

Se essa projeção se confirmar, a Copersucar espera que a produção de açúcar do Centro-Sul nesta temporada fique entre 30 milhões e 32 milhões de toneladas, abaixo das 34 milhões de toneladas da temporada passada. Como consequência, as exportações deverão recuar das 25 milhões de toneladas registradas na última safra para algo entre 22 milhões e 24 milhões de toneladas, segundo Manzano.

Fonte: Valor Econômico - 22/06/2022

Veja também

Assine nossa newsletter