Minaspetro começa 2019 fazendo apresentação na XP Investimentos, em São Paulo

Na tarde da última quarta-feira, 9 de janeiro, o presidente do Minaspetro, Carlos Guimarães, esteve na sede da XP Investimentos, em São Paulo, para uma apresentação a 19 investidores presentes e que também foi acompanhada, através de vídeo conferência, por mais nove investidores que estavam no escritório da corretora no Rio de Janeiro.

Em pauta, o mercado de combustíveis no Brasil sob a ótica de um empresário do setor, que conhece a realidade da Revenda. A participação do presidente do Minaspetro teve como objetivo esclarecer os questionamentos dos investidores sobre o funcionamento, na prática, do segmento de postos.

Nos últimos dois anos, o Minaspetro vem conversando com investidores do mercado financeiro com o objetivo de oferecer um contraponto, ou seja, uma visão sob o ponto de vista da revenda acerca do posicionamento de cada uma das distribuidoras. Hoje, as 3 maiores distribuidoras de combustíveis do Brasil – leia-se BR Distribuidora, Raízen/Shell e Ipiranga – possuem ações que são negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

Rotineiramente, as distribuidoras, através de seus departamentos de RI (relações com investidores) apresentam seus resultados, estratégias e perspectivas futuras, com o objetivo sempre de “dourar a pílula”, ou seja, mostrar que vão continuar crescendo e gerando dividendo para os seus acionistas. Se isto for verdade, estes investidores classificam a ação com rating positivo, sugerindo a sua compra e valorizando os papéis da empresa. O objetivo do Minaspetro ao apresentar a sua visão para estes investidores e contribuir para que eles possam realmente tomar as decisões estratégicas com mais clareza.

Aproximadamente há 18 meses, o Minaspetro já antecipava para estes investidores um grave problema de posicionamento da Distribuidora Ipiranga que vinha praticando preços pouco competitivos para os seus postos e que esta situação era insustentável. Logo em seguida, as ações do grupo Ultrapar “derreteram” e a empresa perdeu quase 50% do seu valor de mercado! A ação, que há 1 ano era comercializada por R$76,90, chegou a ser vendida por R$40,85 e, hoje, retomou fôlego, sendo cotada a R$53,27 (-30,72% em 1 ano).

De acordo com Carlos Guimarães, a ideia é fazer deste tipo de encontro com investidores uma rotina. “Seguiremos em contato com o mercado de capitais, pois acreditamos que é fundamental que os fundos entendam as estratégias de longo prazo das distribuidoras e que estas estratégias contemplem a sobrevivência e o adequado retorno financeiro também dos revendedores. A distribuidora que não for parceira do revendedor está fadada a perder postos e ver seu marketing share despencar”, pontua.

Este tipo de apresentação tem feito tanto sucesso que, no encontro desta quarta-feira – antes da apresentação começar -, o presidente Carlos Guimarães participou de uma videoconferência de 50 minutos com um fundo de investimentos nos Estados Unidos. Este fundo inclusive convidou o presidente para fazer uma apresentação, em Março de 2019, na sede da empresa em Nova Iorque (todas as despesas da viagem serão custeadas pelo fundo).

A XP Investimentos

Fundada em 2001, a XP Investimentos é uma corretora de valores brasileira. Atualmente, a empresa conta com mais de 580 mil clientes ativos e mais de R$ 200 bilhões sob custódia. Atua em vários países, principalmente no Brasil e Estados Unidos. Possui mais de 2.350 assessores de investimentos espalhados por 600 escritórios em 25 estados do Brasil. No final de 2017, a XP Investimentos anunciou associação com o Itaú Unibanco que adquiriu 49,9% das ações da XP por R$6,3 bilhões.

ASCOM Minaspetro - 11/01/2019

 

Relacionadas