Cerradão e Bunge mostram importância para Frutal e região

Para comemorar e marcar a finalização do Projeto de Encadeamento Produtivo para desenvolvimento de fornecedores para o setor sucroenergético, as usinas Cerradão e Bunge realizam hoje (27) o "Conecta Sucro -  A importância sucroenergética no desenvolvimento local", em Frutal - MG, em parceria com o Sebrae e a SIAMIG.

O projeto foi desenvolvido inicialmente para os fornecedores de produtos e serviços e para as usinas do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba e teve a duração de dois anos.

O encerramento do projeto contou com a participação das usinas: Cerradão, Bunge, Delta Sucroenergia, Bioenergética Aroeira e Coruripe além de cerca de 100 fornecedores.

Na ocasião, o presidente da SIAMIG, Mário Campos, ressaltou a importância dos produtos para o setor no estado, que tem o desafio de voltar a ser o segundo maior produtor nacional de cana-de-açúcar, posto perdido para o estado de Goiás. Mário Campos fez as projeções do setor para 2024 de ampliar a produção e impulsionar a geração de empregos diretos, os atuais 50 mil tem uma estimativa de alcançar 65 mil empregados.

A analista do Sebrae, Barbara Castro, destacou alguns dados levantados sobre a relevância do setor para a comunidade local, onde o projeto foi desenvolvido. O setor é responsável por 50% da massa salarial dos 11 municípios pesquisados da área de inserção das usinas, e por 40% da força de trabalho local.

O diretor de Operações da Bunge (com três usinas no estado) Luiz Lima, disse que o novo segmento sucroenergético dentro da empresa, com 12 anos de existência veio para ficar. Ressaltou a importância da Bunge para o estado, presente nas cidades de Santa Juliana, Frutal e Itapagipe.

O Correios e Telégrafos criou um selo com a logo da Usina Cerradão, para homenagear a data. Já a prefeita Maria Cecília Borges disse que essa é uma data histórica, agradeceu aos empresários da Bunge e Cerradão por investirem na cidade, gerar empregos e renda. Agradeceu os Correios, sacramentando os 12 anos da Cerradão.

O diretor da Cerradão, Florêncio Neto, disse que tem 12 empresas fornecedoras no município e que outras também poderiam surgir para comercializar com a usina. Falou do círculo virtuoso que uma empresa proporciona para o município e região onde se instala, com um incremento de todos os setores. Ressaltou a importância da bioeletricidade com a perspectiva de exportar este ano 300 mil MWh, mais do que dobrar o que foi comercializado em 2018. Destacou que as duas usinas na região, Cerradão e Bunge, tem uma participação no Vaf (Valor Adicionado Fiscal) do município de 46%.

No encerramento do evento, onze empresas que participaram do projeto foram certificadas pela conclusão do projeto pelas autoridades presentes.

O evento contou com a presença dos representantes das usinas como os senhores José Pedro Andrade, Pedro Felipe, Adalberto Queiroz e Florêncio Queiroz, da Cerradão, e Luiz Lima e Kamyro Bastos, o presidente da SIAMIG, Mário Campos. Os representantes do Sebrae Willian e Simone Mendes, autoridades locais como a prefeita Maria Cecília Marchi Borges, empresários, entre outros.

Gerência de Comunicações SIAMIG - 27/02/19

 

Relacionadas