O etanol tem futuro

Mário Campos

Presidente da SIAMIG

Extraído da Revista Viver Brasil, em setembro 2019

 

O aquecimento é uma ameaça global. Neste sentido não somente as ações dos países para a redução das emissões de gases do efeito estufa são importantes, bem como atitudes individuais podem provocar grandes benefícios e fazer a diferença!

 Considerado um dos segmentos culpados pelo aquecimento global, o transporte passa por fortes mudanças em busca da redução das emissões. O consumidor brasileiro já leva uma vantagem em relação a isso e conta com um forte aliado, o etanol, combustível limpo e renovável, que contribui para a redução da poluição, além de representar uma economia para o bolso.  

 Desde o ano passado, o consumo de etanol tem batido recordes em Minas Gerais, diante de uma oferta, também recorde por parte dos produtores. Em 2018 foram produzidos 3,2 bilhões de litros de etanol para um consumo de 2,5 bilhões de litros frente os 1,5 bilhões de 2017, crescimento de 69%. Este ano até junho, o consumo já alcançou 1,5 bilhão de litros, alta de 52% na comparação com os 980 milhões de 2018 no mesmo período. A economia auferida pelo consumidor mineiro ao abastecer com etanol, nos últimos 18 meses foi, portanto, de R$ 1 bilhão.

 Um outro número dá também a dimensão da importância do etanol para o Brasil e o mundo:  o consumo de etanol hidratado mais anidro pelos brasileiros, desde o lançamento dos carros flex no país em 2003 até hoje, ocasionou uma redução das emissões de gases do efeito estufa de 535 milhões de toneladas de CO2eq.  Para atingir este volume, seria necessário plantar quase quatro bilhões de árvores e mantê-las por 20 anos.

 O etanol tem todas as condições de inserção nas mudanças da mobilidade veicular mundial pela descarbonização do transporte.  Neste ano, o primeiro carro híbrido flex do mundo será lançado no Brasil. Além do aumento da oferta e consumo do combustível ainda mais, com a implementação do Programa Nacional de Biocombustíveis, RenovaBio, em 2020.

 

 

Relacionadas